Quem disse que mulher e tecnologia não combinam?

Quem disse que mulher e tecnologia não combinam?

Na Go4! Solutions e LawVision, nossas programadoras mostram que não estão de brincadeira e são capazes de resolver problemas que intimidariam muitos fortões por aí.

Conheça mais sobre nossas mulheres na tecnologia 2.019: Adria Eugênio, Ruthe Nazareth e Kamilla Antunes.

Adria, porque você escolheu cursar Análise de Sistemas?

Um dos motivos de ter escolhido estudar Análise de Sistemas foi ao fato de ter dentro da minha família pessoas que trabalham com tecnologia. Isso também me influenciou a querer aprender mais, e tenho muita afinidade com a área, ainda que tenha a percepção de que entre os profissionais desse setor predomina o público masculino.

Ruthe, quais desafios as mulheres têm que superar para trabalhar com tecnologia?

Acredito que o nosso maior desafio começa na infância, quando as meninas são estimuladas a brincar com bonecas e meninos com videogame. Não há motivação para que as mulheres ingressem nas áreas de ciências exatas e tecnologia. No mercado de trabalho o segmento é predominantemente masculino, e por isso acaba sendo menos atrativo para as mulheres. Pois, um ambiente onde o público maior é masculino, deixam as mulheres mais inseguras, começando na sala de aula, onde o público feminino é pequeno, e assim, muitas vezes temos que lidar com assuntos machistas. Depois de lidar com tudo isso, chegamos no último estágio: o profissional, nunca presenciei uma situação de desconforto, mas certamente o maior desafio para uma mulher trabalhar na área de tecnologia é lidar com um espaço predominante masculino, e a desigualdade salarial também conta, pois já existem pesquisas de que mulheres ganham menos que os homens, o porque eu não sei, já que gênero não quer dizer nada.

Kamilla, qual é a sua percepção da participação das mulheres no mercado de análise de sistemas? Há muitas mulheres seguindo esse caminho na faculdade?

Na minha percepção, felizmente, a presença das mulheres nessa área está em crescimento atualmente. Entretanto, continua sendo um mercado predominantemente masculino por várias razões. Isso é preocupante, pois as mulheres que já estão na área sentem que devem se provar o tempo todo para não serem questionadas ou diminuídas apenas por serem mulheres, e as que estão fora da área se sentem desencorajadas a entrar.

Na faculdade, a taxa de matrículas femininas tem crescido com o passar dos anos, porém a taxa de evasão cresce junto. Já vi muitas mulheres desistirem da área por terem que passar por coisas que os homens geralmente não passam. É necessário o incentivo de entrada de mulheres nessa área, mas também é necessário garantir a permanência delas. Acredito que quanto mais for falado sobre isso, mais as pessoas vão tem a compreensão de que a área de tecnologia deve ser feita com diversidade.

Adria, que tendências você identifica para o mercado de business intelligence no futuro?

Eu penso que o mercado de business intelligence vem crescendo muito nos últimos anos, pois as empresas estão cada vez mais preocupadas em trazer mais resultados para dentro do seu negócio. Em vista disso tivemos um aumento na geração de dados e na forma como isso é processado e armazenado. Uma tendência futura é a exploração mais abrangente do Big Data (dados em grande volume e/ou não estruturados), ela está cada vez mais presente em vários aspectos, devido ao fato de vivemos na era da geração de informação.

Big Data e o BI se complementam em vários sentidos, o tratamento do primeiro propicia a geração e processamento de dados; o segundo organiza, transforma e disponibiliza informações para serem usadas na tomada de decisão.

No futuro essa junção será muito importante para diferentes tipos de negócio e vem sendo cada vez mais utilizada. Um exemplo são os robôs de pesquisa de dados do Judiciário, que coletam e processam milhões de informações por segundo. Nós do LawVision utilizamos informações para a geração dos dashboards advindos dos dados que são armazenados dentro dos ERP’s Jurídicos. A partir destes dados externos e dos dados internos armazenados no sistema pelos escritórios ou departamentos jurídicos, ocorre a transformação dos dados para a geração de painéis, permitindo aos gestores tomar decisões muito mais bem informadas.

Sempre que contratar nossos serviços, conte com a competência de nossas mulheres da tecnologia!

Posted in Blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *